Parques hortícolas de Lisboa: o “belo” e o “bom” em áreas expectantes?

Parques hortícolas de Lisboa: o “belo” e o “bom” em áreas expectantes?

Submission ID:

47

O Plano Verde de Lisboa, concebido em 1997 e implementado em 2007, propõe a articulação física de áreas verdes da cidade dedicadas não só ao lazer, mas também à produção agrícola. Neste contexto, estão sendo propostos parques hortícolas que, semelhante aos “grandes projetos” do final do século XX, recorrem a uma uniformidade formal de matriz tipo-morfológica. A implantação de alguns destes parques envolveram a substituição de hortas sociais consolidadas em áreas expectantes desde a década de 50 que, apesar de suas feições decadentes e labirínticas, possuíam grande importância para as comunidades locais. Por seus padrões estéticos e sociais de difícil assimilação, a substituição destas hortas pode ser entendida como gestos estetizantes da vida e da paisagem urbana? Diante da insuportável presença do “feio”, o “belo” instituído procura superar formas “pitorescas” ou espetacularizar o espaço público, moldando-o ao consumo do modismo “sustentável”? Guiado por esses questionamentos, o estudo tem como tema grandes parques urbanos e, como objeto de estudo, parques hortícolas e hortas sociais de Lisboa. A análise proposta explora um possível juízo estético-ético subjacente a estes territórios e se dá em forma de ensaio. Para tanto, além de revisões bibliográficas, recorre-se a diferentes formas de sensibilidade experienciadas nesses espaços, especialmente, a partir da participação em uma prática artística promovida por integrantes do coletivo urbano Baldio. O ensaio objetiva questionar, estética-eticamente, as operações em curso quando subtraem tecidos impregnados de memória urbana, bem como apontar o potencial e limite de práticas artísticas insurgentes para dar visibilidade a esses territórios subtraídos, desestabilizar juízos sobre os mesmos e enfrentar os dilemas a eles impostos. Como ensaio, o estudo não persegue respostas, mas busca elaborar outras perguntas que possam ampliar o debate sobre o tema.

Corresponding Author

Ana Elísia da Costa

Universidade Federal do Rio Grande do Sul - ISCTE-IUL

Author #1:

Ana Elísia da Costa

Universidade Federal do Rio Grande do Sul - ISCTE-IUL

Author #2:

Author #3:

Author #4:

Preferred Track

8. The role of artists and urban art

Second Preferred Track

3. Terrain vague redevelopments

Subscribe for updates

Contacts

DINÂMIA'CET-Iscte

Centre for Socioeconomic and Territorial Studies

Avenida das Forças Armadas | Edifício ISCTE

Sala D316 1649-026 Lisbon

grandprojects.2021@gmail.com

  • YouTube
  • Facebook

Organization

LOGO21.png
din_sig_pos_rgb.png